• Rede bancária privada suspende crédito consignado para servidores públicos federais
  • 12 jul 2019

Os bancos privados suspenderam as operações de crédito consignado para servidores públicos federais. A decisão foi adotada depois que a empresa de software Consist ter se tornado alvo da Operação Lava Jato. A Federação Brasileira dos Bancos (FEBRABAN) informou que diante dos fatos as instituições financeiras privadas vão rever a participação no convênio de gestão firmado com as autoridades públicas.

Por sua vez, o Ministério do Planejamento anunciou que a Caixa Econômica Federal (CEF) e o Banco do Brasil continuam a oferecer aos servidores a opção do Crédito Consignado.

Os comunicados reservados distribuídos pelos bancos Itaú/BMG, Bradesco e Bom Sucesso da semana passada notificavam os gerentes sobre o bloqueio das operações. A medida afeta funcionários da ativa, aposentados e pensionistas que precisem de qualquer uma das operações de crédito, tanto para novo empréstimo quanto para refinanciar ou fazer a portabilidade.

A Consist foi contratada para gerir o software que autoriza os pagamentos consignados, após acordo de cooperação técnica firmado entre o ministério, o Sindicato Nacional das Entidades Abertas de Previdência Complementar (SINAPP) e a Associação Brasileira de Bancos (ABBC).

O SINAPP disse, em nota, que notificou extrajudicialmente a Consist para que a empresa preste os esclarecimentos devidos. O sindicato destacou que a Consist foi apresentada por “bancos participantes do mercado de crédito consignado”, e que a empresa foi quem apresentou as “melhores condições de atender os requisitos técnicos e operacionais”.

De acordo com as investigações do Ministério Público Federal e da Polícia Federal, a Consist teria repassado valores obtidos com o contrato de gestão das margens consignáveis a operadores da Operação Lava-Jato.

Após as denúncias, o Ministério do Planejamento decidiu rescindir em 30 dias o Acordo de Cooperação Técnica envolvendo o consignado e informou que toda a operação de gestão passará a ser feita pelo Serviço Federal de Processamento de Dados (SERPRO) e a DATAPREV. A suspensão das operações de consignado pelos bancos é por tempo indeterminado.