• Governo federal pretende digitalizar mais mil serviços públicos até 2020
  • 06 jun 2019

A meta do governo federal é digitalizar mil serviços até o fim de 2020. Com isso, 80% dos quase três mil serviços públicos prestados pelo Executivo Federal vão estar disponíveis por canais eletrônicos, como sites na Internet ou aplicativos de smartphones. O anúncio foi feito pelo secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel, durante o Painel Telebrasil, em Brasília. Este evento reúne autoridades, empresários e analistas para discutir os desafios das telecomunicações no país.

De acordo com o secretário, dos 2.897 serviços dos órgãos da administração pública federal, mais de 1.250 estão digitalizados, o que equivale a 42%. O processo de digitalização envolve a simplificação de processos, a melhoria e integração das bases de dados, a automatização de determinados procedimentos (como atendimento ao público) e o treinamento de servidores.

A disponibilização dos serviços na Internet faz parte do plano de transformação digital do governo federal, conforme Uebel, para quem, a questão do digital envolve como “incorporar nos nossos processos, na formação de servidores e na elaboração de políticas públicas”. Acrescentou também que “o aumento de 1% do governo digital traz ampliação de 0,5% no Produto Interno Bruto (PIB), de 0,13% no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e de 1,9% no comércio internacional”.

O secretário afirmou que o governo mantém um painel de monitoramento do andamento dos processos de digitalização nos diversos órgãos, e apresentou um cálculo utilizado pelo ministério, segundo o qual, o retorno sobre o investimento nessas mudanças é, em média, de mais de 300%. A expectativa é que a economia com a transformação digital do Executivo chegue, no total, a R$ 6 bilhões. Até julho, a expectativa do governo federal é que todos os serviços da Previdência Social estejam digitalizados.

Por sua vez, o secretário de governo digital do Ministério da Economia, Luís Felipe Monteiro, afirmou que até o fim do ano o mesmo processo deverá ocorrer na área de infraestrutura.Com isso, diversas atividades poderão ser feitas por canais eletrônicos. Isso não significa, pontuou Monteiro, que os postos de atendimento deixarão de existir, mas que o cidadão também terá a possibilidade de resolução por meios digitais.