• Aumento da contribuição previdenciária vai atingir 70% dos servidores do Executivo
  • 31 ago 2017

servidor crucificadoAproximadamente 460 mil servidores do Executivo federal, o que equivale a mais de 70% do quadro, deve ser atingida pela elevação das alíquotas de contribuição previdenciária do funcionalismo público federal, se a proposta do governo for aprovada pelo Congresso Nacional.

A medida apresentada pelo presidente Michel Temer propõe a escalada da alíquota de contribuição dos atuais 11% para 14%, e vai atingir a parcela do salário dos servidores que ultrapassar o teto de R$ 5,3 mil. Os que ganham abaixo desse valor não serão afetados.

Para entrar em vigor, a proposta precisa ser aprovada pelo Congresso. Com esta alteração, no caso de ser aprovada a medida, a expectativa do Ministério da Fazenda é que a medida promova uma arrecadação extra de R$ 1,9 bilhão em 2018.

De acordo com os dados do Ministério do Planejamento, 69,9% dos servidores ativos do Poder Executivo receberam, no mês de junho, valores acima de R$ 5.500, e 9,2% ganham entre R$ 4.501 e R$ 5.500.

Os mesmos indicadores sustentam que o Executivo federal contava, em junho, 656 mil servidores ativos e 409 mil aposentados. No final do ano passado, o quantitativo era de 622 mil ativos e 388 mil aposentados. Aproximadamente 25% do quadro atual ganham abaixo de R$ 5 mil, valor que o governo pretende fixar como teto salarial inicial para as novas contratações.

Do total do funcionalismo da ativa hoje, em torno de 150 mil servidores, que representam 23% do quadro, recebem acima de R$ 13 mil. As maiores remunerações cabem aos médicos de alguns órgãos, técnicos em polícia criminal e delegado da Polícia Federal, cujos salários, no fim da carreira, podem chegar a mais de R$ 28 mil.